sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Barulho d água´(Brincadeira antiga)


Brincadeira antiga

Nuvem de primavera.
Com todo céu para si,
nada uma baleia.


Para relaxar um pouco após uma exaustiva semana de fechamento de mais uma edição do Página Zero, deitei-me na sexta-feira, 9, num banco sob uma mangueira que há na praça defronte ao prédio do jornal. Da minha sesta à sexta resultou o poema acima, além do que encerra este comentário. A foto é de celular, há outras em que a forma da nuvem assemelha-se mais ao cetáceo, mas para relembrar a brincadeira antiga de ver figuras nas nuvens (quem hoje em dia consegue uma pausa para resgatá-la e se dar a este desfrute, ainda mais sendo jornalista?) esta vale a pena... O outro poema é:


Sesta sob a mangueira.
Quando cessa o burburinho,
o canto do sábia.

Um comentário:

Mércia Cristina de disse...

Mano, amei, antes mesmon de ler a poesia ,vi a baleia... muito boa

Mercia

Três ou mais linhas de prosa... e de poesia


O velho lago
mergulha a rã--
barulho d´água.

Este blog, cujo nome deriva do haicai de Matsuo Bashô, tem por objetivo a divulgação de crônicas e outros gêneros literários de minha autoria -- consulte também
http://www.poesiafeitaemcasa.blogspot.com e http://www.karumi.nafoto.net, outros trabalhos que assino. A cópia e reprodução dos elementos aqui contidos sem a devida autorização, por escrito, e sem estarem negociados direitos autorais e outras questões comerciais, sujeitarão o infrator a entendimentos com a lei.

Marcelino Lima



Marcadores

Arquivo do blog